Busca:

Revista da ABESO » Edição nº 51 - Ano XI - Nº 51 - Junho/2011 » Bioidênticos

 

Hans Graf - Professor do Serviço de Endocrinologia da Universidade Federal do Paraná (SEMPR).

De tempos em tempos, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) é obrigada a se manifestar sobre determinadas terminologias utilizadas por alguns profissionais (com frequência, não endocrinologistas) que pretendem ser “novidades” no campo da Endocrinologia, mas que, na realidade, muito mais confundem os nossos pacientes e mesmo os endocrinologistas.

Muito se fala, hoje, dos chamados “Hormônios Bioidênticos”, substâncias hormonais que possuem exatamente a mesma estrutura química e molecular encontrada nos hormônios produzidos no corpo humano. Esta nomenclatura está sendo utilizada indevidamente apenas para os hormônios manipulados, como se fossem novas opções de tratamento, quando, na verdade, há muito tempo hormônios bioidênticos são produzidos em indústrias farmacêuticas e estão disponíveis nas farmácias.

O uso do termo vem sendo feito com objetivos evidentemente comerciais, como uma forma de marketing. Quando um endocrinologista prescreve tiroxina, estradiol e progesterona natural, testosterona, hormônio do crescimento e outros, ele na realidade está receitando hormônios “bioidênticos”, no sentido de que são hormônios cuja fórmula molecular é igual à dos produzidos pelo corpo humano, apenas que não são “manipulados” em farmácias. No entanto, a sua estrutura molecular em nada difere dos produzidos pelo organismo humano. Os defensores dos “bioidênticos” manipulados dizem que eles podem ser feitos sob medida para cada paciente. Em comunicado oficial, a Sociedade de Endocrinologia dos Estados Unidos (Endocrine Society) adverte que a fabricação individualizada de um hormônio é praticamente impossível de ser alcançada em função das inúmeras variações fisiológicas.

Não existem estudos científicos sérios que atestem quaisquer benefícios dos chamados “bioidênticos manipulados” sobre os medicamentos regularmente utilizados pelos endocrinologistas, produzidos por indústrias farmacêuticas com grande tecnologia.

Um aspecto mais sério e importante de discussão é que as manipulações hormonais não são controladas pelos órgãos de vigilância sanitária, ao contrário daqueles fabricados pelos grandes laboratórios. Quando prescrevemos tiroxina, temos à nossa disposição no Brasil quatro grandes laboratórios que utilizam alta tecnologia para a produção do produto em diversas titulações. Estamos falando aqui exatamente de um hormônio “bioidêntico”, uma vez que a sua estrutura molecular é idêntica à tiroxina produzida pelo organismo humano. Esta questão é tão evidente e clara aos profissionais que a utilizam, que não existe a necessidade de que seja explicitado na bula do medicamento que ele é “bioidêntico” (ou idêntico à tiroxina humana).

O grande apelo comercial dos hormônios “bioidênticos” manipulados é o de que eles seriam “naturais” e, por esse motivo, o organismo se mostraria capaz de metabolizá-los da mesma forma que faz com um hormônio do próprio corpo. Esta é uma linguagem metafórica para passar aos pacientes a idéia de que o hormônio “bioidêntico manipulado” é superior ao hormônio não manipulado. Além disto, a adoção da palavra “bioidêntico“ é muito questionada, porque não há nada de científico nesse termo. É uma mera questão mercadológica. Como comenta o ex-presidente da SBEM, Dr. Ricardo Meirelles, a palavra “bioidêntico” não existe nem nos dicionários dos Professores Aurélio Buarque de Holanda ou Antonio Houssais, nem no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras.

Os pacientes, mesmo de nível intelectual excelente, dificilmente irão questionar o profissional que está prescrevendo uma medicação que é um “recente avanço” no tratamento hormonal, isenta de qualquer risco porque são feitas sob medida para cada paciente, a chamada “modulação hormonal” ou “customização”. É uma linguagem já conhecida e que nos remete à linguagem da prescrição de “fórmulas” para emagrecimento ou para outros fins, nas quais cada princípio ativo seria específico para determinado paciente. Infelizmente, os pacientes desconhecem o muito frequente “desconhecimento” destes profissionais sobre os próprios princípios ativos que estão sendo utilizados. E como um modismo, outros profissionais passam a prescrever hormônios “bioidênticos”, tentando sempre passar a ideia de que seus produtos manipulados são superiores aos produzidos pela indústria farmacêutica. Isto não soa como ótima música para os nossos pacientes? Receber uma medicação “bioidêntica” manipulada, individualizada e sem risco? As farmácias de manipulação, alvo de tantas controvérsias anteriores, passaram a ter um mercado hormonal renovado, com objetivos definitivamente comerciais. E obviamente não existe tratamento hormonal sem riscos, uma vez que além da indicação adequada, o profissional deve ter conhecimento da farmacologia hormonal, assim como a farmácia de manipulação deve ter as condições de formular adequadamente o hormônio.

Os especialistas em Endocrinologia profissionalmente sérios, desde o momento da definição clara de uma doença endócrina, usam de forma rotineira há várias décadas os hormônios bioidênticos. O tratamento tradicional de reposição hormonal com medicações como tiroxina, estradiol e progesterona natural, testosterona, hormônio do crescimento e outros, nada mais é que a prescrição de hormônios idênticos aos produzidos pelo corpo humano. Ou seja, há décadas estamos utilizando hormônios “bioidênticos”, no sentido de que são hormônios cuja fórmula molecular é igual à dos produzidos pelo corpo humano. Talvez deva ficar claro para os profissionais que utilizam “bioidênticos” formulados que nada de novo foi criado recentemente, que existe claramente um  apelo comercial no que está sendo feito e que o produto final manipulado nada tem de melhor que produtos industrializados de reconhecidas indústrias farmacêuticas. Além disto, a falta de uma fiscalização contínua sobre produtos manipulados é uma desvantagem em relação aos produtos da indústria farmacêutica, que são rigorosamente fiscalizados pelas agências de vigilância sanitária.

Copyright © 1998-2013 ABESO - Todos os direitos reservados.