Notícias Dicas


Tentação por comida pode estar relacionada a mutação genética

Tentação por comida pode estar relacionada a mutação genética

 A obesidade pode estar ligada a uma mutação genética que faz a comida parecer mais tentadora. Os pesquisadores acreditam que a mutação presente em muitas pessoas obesas faça com que os centros de recompensa do cérebro sejam estimulados quando veem comida, levando ao consumo excessivo. 


O estudo, publicado esta semana no Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, tem animado os pesquisadores, que agora acreditam que possuem uma melhor compreensão de como esta mutação faz uma pessoa se sentir feliz com a visão de alimentos com alto teor calórico. 

Problema multifacetado, a obesidade pode ser o resultado de uma combinação genética ao estilo de vida, como sedentarismo e a ingestão de alimentos altamente calóricos. De acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), mais de 74 milhões de pessoas nos Estados Unidos são clinicamente obesas. Mais de um terço dos norte-americanos ainda levam um estilo de vida sedentário. 

Os pesquisadores britânicos por trás do recente estudo explicam que a causa genética mais comum da obesidade é uma mutação no gene receptor de melanocortina 4 (MC4R). Eles compararam oito pessoas que eram consideradas obesas e também tinham esta mutação genética com 10 pessoas que eram consideradas obesas mas não tinham a mutação. Analisaram ainda oito pessoas com peso considerado normal, como grupo controle. Todos os participantes da pesquisa tinham a mesma faixa etária. 

Utilizando-se de exames de ressonância magnética funcional, os pesquisadores analisaram a reação do centro de recompensa do cérebro quando entrava em contato com a imagem de um bolo de chocolate, por exemplo. Eles também mediram as respostas do cérebro a outros alimentos menos tentadores, como arroz e brócolis. Finalmente, gravaram a atividade cerebral em resposta a itens não-alimentares, como grampos. O objetivo era avaliar as reações diversas entre os indivíduos, e se havia uma ligação entre a mutação do gene MC4R e a obesidade. 

Os pesquisadores ficaram surpresos com a falta de ativação que os alimentos tentadores causaram no cérebro de indivíduos obesos que não tinham a mutação do gene MC4R. 

Compreender a subatividade dos centros de recompensa no cérebro de algumas pessoas obesas e o excesso de atividade em outras pode ajudar os pesquisadores a entender melhor essas relações, culminando em um tratamento mais avançado em casos de obesidade. 

Colunistas