Notícias Dicas


Relação entre demência e IMC é alvo de estudo

Relação entre demência e IMC é alvo de estudo

Um novo estudo - considerado o maior realizado até hoje para avaliar a relação entre o índice de massa corporal e o risco de demência - sugere que a obesidade poderia ser um fator de proteção contra a doença, enquanto as pessoas que estão abaixo do peso podem ter um risco aumentado.

Estar abaixo do peso foi associado a um risco aumentado de demência em 34%, sendo que os severamente obesos tiveram o risco de demência reduzido em 29%.

O autor do estudo, o Prof. Stuart Pocock, da London School of Hygiene & Tropical Medicine, no Reino Unido, e colegas publicaram suas descobertas no periódico The Lancet Diabetes & Endocrinology.

Demência é um termo usado para descrever uma série de condições associadas com o declínio da memória e habilidades de pensamento. A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, representando cerca de 60 a 80% dos casos nos EUA.

Alguns fatores de risco para a demência estão bem estabelecidos. Sabe-se que o risco de uma pessoa da condição aumenta com a idade, por exemplo, e as pessoas com histórico familiar da doença são mais propensas a desenvolvê-la.

Cada vez mais, os pesquisadores estão analisando como o peso de um indivíduo influencia o risco de demência, mas os resultados têm sido conflitantes. Em 2011, por exemplo, um estudo publicado na revista Neurology ligava a obesidade na meia-idade ao aumento do risco de demência mais tarde na vida.

Em fevereiro de 2015, no entanto, Medical News Today informou que, enquanto a obesidade pode representar um risco de demência maior para os jovens e adultos de meia idade, pode proteger contra a condição para idosos.

Neste último estudo, Pocock e colegas avaliaram os registros médicos de quase 2 milhões de pessoas no Reino Unido, a fim de obter uma melhor compreensão de como a obesidade afeta o risco de demência.

Os pesquisadores se debruçaram sobre os dados de um período de 20 anos registrados no Clinical Practice Research Datalink (CPRD) - um grande banco de dados que contém os registros médicos de cerca de 9% da população do Reino Unido.

Os adultos incluídos no estudo tinham uma idade média de 55 anos no início do estudo e tinham um índice médio de massa corporal (IMC) de 26,5 kg / m2, o que se enquadra na categoria acima do peso.

Durante um período de acompanhamento médio de 9 anos, 45.507 adultos foram diagnosticados com demência.

Os pesquisadores descobriram que, em comparação com adultos que tinham um IMC saudável (entre 20-25 kg / m2), aqueles que estavam abaixo do peso - definida neste estudo como um IMC inferior a 20 kg / m2 - durante a meia idade eram 34% mais propensos de serem diagnosticados com demência. Este risco aumentado permaneceu por 15 anos após o status abaixo do peso registrado.

A equipe observa que os participantes com um IMC inferior a 18,5 kg / m2 são geralmente classificados como abaixo do peso, mas o limite foi elevado neste estudo para permitir comparações com estudos anteriores, que definiram um IMC inferior a 20 kg / m2, como abaixo do peso .

Os pesquisadores também descobriram que o risco de demência em adultos de meia-idade, em constante redução de seu IMC, aumentou. Em comparação com os adultos que tinham um IMC saudável, aqueles que foram severamente obesos (IMC maior que 40 kg / m2) apresentaram 29% menos probabilidade de desenvolver demência.

A equipe diz que os seus resultados se mantiveram mesmo depois de considerar os fatores associados ao aumento do risco de demência, incluindo o tabagismo e consumo de álcool. Além disso, os resultados não foram afetados pela idade dos adultos no momento do diagnóstico de demência ou a década em que eles nasceram, de acordo com os pesquisadores.

Resultados podem levar a novos tratamentos para a demência.

*Estudo publicado no The Lancet.

Colunistas