Notícias Dicas


Obesidade Infantil

Obesidade Infantil

O padrão ouro para o tratamento da obesidade infantil atualmente envolve o uso de uma abordagem baseada na família em que os pais e as crianças frequentam reuniões sobre como perder peso. Uma nova revisão de estudos anteriores sugerem que reuniões apenas com os pais podem funcionar tão bem quanto ou ainda melhor, além de ser mais barato e menos contrangedor para as crianças. 


Outra vantagem seria a melhor concentração nos temas tratados sem a presença das crianças como fator de distração. Os pesquisadores documentos de oito estudos anteriores ou em curso. Em todos os estudos, as famílias de crianças com sobrepeso e obesidade foram aleatoriamente designados para diferentes intervenções de perda de peso.

Cinco dos estudos compararam programas de grupo para os pais com intervenções voltadas para ambos: pais e crianças. Dois compararam entre pais apenas a intervenções apenas com crianças. No estudo restante, alguns dos pais e seus filhos se reuniram separadamente e depois em conjunto. Os programas incluíam informações sobre alimentação e educação nutricional, além de informações sobre a atividade física.

As intervenções só de pais foram no mínimo tão eficazes na promoção da perda de peso entre as crianças do que as intervenções pai e filho combinados, se não mais, de acordo com resultados publicados no Journal of Public Health.

O ponto negativo é que houve mais desistência na participação no programa no grupo nos programas voltadas apenas para os pais. Isso pode ocorrer, segundo eles, porque os pais podem se sentir sobrecarregados ao assumir a responsabilidade de problemas de peso de seus filhos sozinhos, embora em qualquer dos grupos são os pais os responsáveis pela saúde dos filhos e pela perda de peso também.

Nas intervenções familiares de padrão ouro de comportamento, que incluem crianças com seus pais, os pais são ensinados a utilizar as mesmas habilidades como pais do que os programas apenas de pai e ainda são incentivados a tomar a responsabilidade primária para a tomada de mudanças amplas no estilo de vida da família.

Os pesquisadores alertam que não pode haver sucesso no programa de intervenção quando a criança é responsabilizada exclusivamente pelo seu peso e para a obtenção de um peso saudável. Como comer de forma saudável, como se exercitar corretamente e como lidar com o lado emocional são temas difíceis para enfrentar até mesmo para os adultos. "É por isso que os pais (ou cuidadores) , que têm o maior influência sobre a criança, precisam entender a sua parte no processo", defendem.

Os autores alertam que os resultados devem ser interpretados com cautela, em parte porque a maioria dos estudos que analisaram eram pequenos, já que são raros os programas de intervenção voltados apenas para os pais. Para eles, é um desafio convenver os pais de que eles podem se inscrever nesses programas sem as crianças, já que muitos acreditam que a convivência com crianças que passam pelos mesmos problemas seria importante, outros porque gostariam que os filhos aprendessem sobre como fazer as mudanças no estilo de vida. "Mas, pela nossa experiência, uma vez que os pais façam parte desses programas, os resultados são muito bons.

Fonte: bit.ly/1bjLaKX, Journal of Public Health.

Colunistas