Notícias Dicas


Obesidade em crianças e adolescentes voltou a crescer nos Estados Unidos

Obesidade em crianças e adolescentes voltou a crescer nos Estados Unidos

No estudo publicado na revista Pediatrics, crianças de 2 a 5 anos de idade e meninas de 16 a 19 anos foram os grupos com maior aumento

Após alguns relatórios sugerirem que a obesidade em crianças e adolescentes havia se estabilizado ou até mesmo estaria diminuindo nos últimos anos, novo estudo publicado na revista Pediatrics aponta para erros em análises anteriores e aumento significativo de sobrepeso e obesidade entre as crianças de 2 a 19 anos. As taxas são mais proeminentes entre os adolescentes, mas os pesquisadores verificaram aumento na obesidade severa entre crianças de 2 a 5 anos a partir de 2013.

O estudo Prevalência de Obesidade e Obesidade Grave em Crianças dos EUA foi realizado na Duke University, em Durham, Carolina do Norte, com o objetivo de avaliar as tendências da obesidade entre crianças e adolescentes nos Estados Unidos, com idades entre 2 e 19 anos. Foram utilizadas as informações referentes ao período de 1999 a 2016 do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES), um programa permanente de levantamento de informações sobre saúde e nutrição do Centers for Disease Control and Prevention (CDC) norte-americano.

Do NHANES, os pesquisadores utilizaram informações como o IMC, sexo e idade, definindo estimativas de prevalência de sobrepeso e obesidade (grau I, grau II e grau III) e comparando ciclos a cada dois anos.

As crianças americanas brancas e asiáticas apresentaram taxas significativamente mais baixas de obesidade do que crianças afro-americanas, hispânicas ou de outras raças.

As crianças asiáticas americanas, por outro lado, apresentaram os menores índices de excesso de peso e obesidade. A prevalência de sobrepeso e obesidade aumentou com a idade, com 41,5% de adolescentes de 16 a 19 anos com obesidade e 4,5% de obesidade grau III.

Estas informações apontam para o fato de grupos historicamente desprotegidos estarem mais suscetíveis à epidemia da obesidade, com aumento da morbidade ao longo de suas vidas.

Obesidade infantil

A prevalência de obesidade infantil e de adolescentes nos Estados Unidos vem aumentando há quatro décadas, atingindo uma em cada cinco crianças. Alguns estudos anteriores mostravam indícios de estabilização em toda a população, outros revelavam, inclusive, a redução entre crianças menores.

Apesar das importantes iniciativas de saúde pública, o que observou-se neste estudo foi que a obesidade e a obesidade grave seguem crescentes, com um aumento acentuado nas crianças em idade pré-escolar.

No geral, houve aumento de sobrepeso e obesidade entre as crianças de 2 a 19 anos, mais proeminentes entre os adolescentes, grupo em que o problema subiu de 36% para 48%. O maior aumento foi observado entre crianças de 2 a 5 anos de idade, especialmente do sexo masculino, no período de 2015 e 2016, quando comparado ao período anterior. Houve, além disso, crescimento significativo de obesidade severa em todos os períodos desde 2013 para este grupo.


Prevenção e resultados

Mesmo com todos os esforços na saúde pública com foco na obesidade durante a última década, a prevalência de obesidade permanece alta. Para os pesquisadores, é importante destacar que tais medidas têm fracassado sobretudo em crianças mais jovens. Assim, os esforços precisam se concentrar no início da vida das crianças.

Os esforços atuais devem continuar, assim como a inovação, a pesquisa e, o mais importante, a colaboração entre profissionais de saúde, hospitais e todas as esferas governamentais.

Para os pesquisadores, o controle contínuo é fundamental, assim como a observação de eventuais mudanças a partir da implantação de novas políticas de saúde pública, com o objetivo de reverter este panorama.


Fontes:

 

 

PEDIATRICS

NHANES

 

Colunistas