Notícias Dicas


O Ioiô da Silhueta: Perigo que Não É Brincadeira

O Ioiô da Silhueta: Perigo que Não É Brincadeira

O Ioiô da Silhueta: Perigo que Não É Brincadeira

Por Sandra Malafaia

Inúmeras dietas, cada uma com um nome diferente, chegam à mídia a toda a hora. É a da sopa, da Lua, do limão, da proteína, enfim: uma série de promessas para emagrecimento rápido que podem prejudicar, e muito, a saúde das pessoas.

Há quem consiga subtrair vários quilos em uma semana. E de que adianta esse feito se a pessoa não consegue usufruir da nova silhueta, pois não tem nem disposição para sair de casa? Isso sem falar na mudança de humor e no prejuízo que uma dieta não balanceada pode causar ao organismo. Resultado: a tendência é a volta do antigo peso à balança.

Segundo o Dr. Márcio Mancini, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO), as dietas temporárias, especialmente as mais restritivas, estão destinadas ao fracasso, com a consequente recuperação do peso perdido.

Leptina e Grelina

O presidente da ABESO esclarece que, quando se faz uma redução muito drástica da quantidade de alimento ingerido, ocorre, no sangue, uma redução do nível de leptina (hormônio produzido no tecido gorduroso que leva sinais de saciedade ao cérebro) e um aumento nas concentrações de grelina (que envia sinais de fome).

Assim, se a grelina estiver aumentada, a tendência é que a pessoa coma mais em uma próxima refeição. Somado a isso, o organismo também tende a reagir ao período de privação, armazenando os alimentos com mais facilidade, ocasionando o “efeito ioiô ou sanfona”.

Além disso, as mesmas dietas e medicamentos podem acarretar resultados diferentes entre um paciente e outro. Fatores genéticos, ambientais e psicológicos também contribuem para o desencadeamento da obesidade.

Outro alerta do Dr. Mancini se refere às fórmulas para emagrecimento, que podem ainda ser mais perigosas. Isso porque, contrariando a recomendação da Associação Médica Brasileira e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, frequentemente essas formulações associam de 15 a 30 itens diferentes.

Dessa forma, as consequências do consumo desses coquetéis de substâncias podem incluir perda de massa óssea, taquicardia, arritmias, entre outros. 

Fatores de Risco

Por outro lado, o Dr. Mancini lembrou que é preciso combater o excesso e peso da forma correta, conforme as Diretrizes da ABESO, já que a obesidade é também fator de risco para doenças como hipertensão, diabetes, alguns tipos de câncer, refluxo esofágico, cirrose, varizes, entre outros.

Um dos aspectos que devem ser observados para o controle desses problemas é a circunferência abdominal, cujo limite para as mulheres é de 80 cm, enquanto para os homens, 90.

Colunistas