Notícias Dicas


O ambiente agindo sobre o metabolismo: riscos da luz artificial para obesidade

O ambiente agindo sobre o metabolismo: riscos da luz artificial para obesidade

No último Congresso da Abeso, no final de abril e início de maio, no Rio de Janeiro, muito se falou sobre os fatores envolvidos no crescimento do sobrepeso e avanço da obesidade. Genética e ambiente teriam peso parecido nesta balança. E um “contribui” com o outro. E tem mais: obesidade não tem relação apenas com a nossa alimentação. Um dos fatores relacionados ao ambiente que tem sido cada vez mais estudado nos últimos anos é a exposição cada vez maior à luz artificial. Nossos compromissos de trabalho e sociais tem nos deixado acordados por mais tempo, até mais tarde. E somos constantemente expostos à poluição luminosa. Televisão, tablets, celulares, luminosos, a própria iluminação da cidade. Está cada vez mais difícil dormir em ambientes livres de luz artificial.

Um estudo do Centro Médico da Universidade de Leiden, na Holanda, chegou à conclusão de que o ganho de peso pode estar cada vez mais comum na economia global porque a exposição à luz artificial prolongada realmente inibe os processos de queima de gordura, que normalmente ocorrem durante a escuridão.

Vários anos de pesquisa correlacionam o ganho de peso com a exposição à luz artificial, que é definida como qualquer luz que não é do sol, incluindo a iluminação de casa, telas de computador e outros dispositivos, e iluminação pública. Um artigo de 2013, publicado no jornal da Federação das Sociedades Americanas para Biologia Experimental, apontava que ratos alimentados com uma dieta de baixa gordura, mas expostos à luz artificial durante longos períodos de tempo, na verdade, ganharam mais peso do que ratos alimentados com uma dieta rica em gordura.

A equipe de Sander Kooijman , da Holanda, queria saber mais sobre o que exatamente causa essa correlação. Para isso, eles olharam para o mecanismo exato por trás do ganho de peso – e sobre o “comportamento” de um tipo de gordura conhecida como tecido adiposo marrom (BAT) quando exposto à luz artificial por longos períodos. Este tecido tem um papel central no gasto energético, alterando a energia dos alimentos em calor. Em suma, ele queima calorias.

Os pesquisadores expuseram ratos à luz artificial durante 12, 16 ou 24 horas por dia durante cinco semanas. Ratos expostos à luz artificial durante 24 horas, em comparação com 12 horas, apresentaram a composição de gordura significativamente mais elevada, apesar de consumir a mesma dieta.

Investigações posteriores revelaram que a atividade BAT foi diminuída por exposição à luz. Quanto mais tempo eles foram expostos à luz artificial, menos calorias queimaram.

O que se entende, a princípio, é que os ritmos circadianos do corpo são excepcionalmente sintonizados com variações de luz e escuridão. O rompimento desse processo fisiológicos básico pode ter repercussões metabólicas significativas.

Os pesquisadores acreditam que a exposição à luz artificial é uma forma de realmente enganar uma adaptação evolutiva, que incentivou os nossos antepassados a armazenar gordura nos meses de verão para se preparar para os meses mais frios e mais escuros de inverno.

Dias mais curtos aumentariam a ativação da BAT para criar calor no corpo a fim de se preparar para o frio, enquanto dias mais longos não exigem a criação de calor - assim que o corpo armazena o excesso de energia, ou gordura, até que seja necessário. Ou seja, os cientistas têm percebido que baixar a atividade da BAT em estações quentes pode efetivamente resultar no armazenamento de gordura benéfica.

Mas a luz artificial confundiria o corpo. Um trabalhador turno da noite em um hospital, por exemplo, pode passar 12 horas sob luzes fluorescentes e, depois de várias horas de luz do dia, executando recados. Se isso acontecer várias vezes por semana, o corpo pode adaptar-se à exposição à luz prolongada, reduzindo a sua taxa de queima de gordura normal.

Enquanto as pesquisas sobre exposição à luz artificial se limitam a ratos, medicamentos e terapias que visam corrigir o armazenamento de gordura com defeito ainda estão muito longe de tornarem realidade. Pesquisadores estão procurando maneiras de aumentar a atividade da BAT em ratos e seres humanos por meio do desenvolvimento de drogas que agem no "relógio biológico central" do corpo, de uma área do cérebro conhecida como núcleo supraquiasmático.

Até que essas pílulas mágicas não chegam só nos resta tentar dormir quando está escuro lá fora - ou, pelo menos, simular escuridão se você tem um trabalho que exige turno noturno. Limitar a exposição à luz artificial é o melhor conselho neste sentido.

Colunistas