Notícias Dicas


Múltiplos fatores relacionados ao ambiente familiar influenciam no aumento mais rápido do IMC na infância

Múltiplos fatores relacionados ao ambiente familiar influenciam no aumento mais rápido do IMC na infância

A qualidade de vida na infância pode ser um preditor da obesidade infantil e do seu seguimento na vida adulta. O ambiente em que a criança vive pode afetar seu índice de massa corpórea (IMC). Um estudo longitudinal realizado com 1.000 jovens, no Chile, com idades entre 5, 10, 15 e 21 anos (e avaliações do ambiente familiar e do comportamento dos pais aos 12 meses e 10 anos), identificou múltiplos fatores de risco relacionados ao ambiente familiar e domiciliar associados ao tempo e aumento mais rápido do IMC, levando ao excesso de peso ou à obesidade na vida adulta. Os efeitos podem surgir já aos 5 anos, de acordo com o estudo publicado na Childhood Obesity. Entre os múltiplos fatores relacionados ao núcleo familiar estão o estresse, ausência do pai, depressão materna, falta de estimulação, ambiente doméstico pouco atraente, menos materiais de incentivo ao crescimento e menos contato com experiências que estimulam o desenvolvimento, menor ambiente físico total, além de questões de afetividade.

Os achados mostram que o aumento do IMC e a taxa de aumento desde os 5 anos de idade são importantes para prever o status de peso na idade adulta jovem. A identificação precoce do ganho de peso acelerado na infância é, portanto, um marcador crítico para a obesidade na vida adulta e tem implicações preventivas. As crianças expostas a condições familiares não favoráveis ​​ficaram com sobrepeso ou com obesidade quando jovens, em parte porque esses fatores estão relacionados a um aumento mais rápido do IMC. Segundo o estudo, a identificação dos fatores de origem e família encontrados no estudo destaca uma variedade de possíveis alvos de intervenção. “Intervenções domiciliares que orientam os pais a promover atividade física e limitar o confinamento da criança provavelmente seriam benéficas”, destacam os pesquisadores. Eles destacam também a importância de programas que proporcionam atividades lúdicas estimulantes e seguras para crianças que mostram ganho de peso rápido poderiam ser úteis.

Referência: Childhood Obesity.http://doi.org/10.1089/chi.2018.0222


 

Colunistas