Notícias Dicas


Lei Proíbe Oferta de Brinquedos na Compra de Alimentos Calóricos

Lei Proíbe Oferta de Brinquedos na Compra de Alimentos Calóricos

Lei Proíbe Oferta de Brinquedos na Compra de Alimentos Calóricos
Por Beth Santos

São Francisco, na Califórnia (EUA), é a primeira entre as metrópoles norte-americanas a aprovar lei que proíbe restaurantes e lanchonetes de oferecerem brinquedos na compra de refeições ou lanches com altos índices de calorias, gorduras e açúcares.

A medida, aprovada pela Câmara de Supervisores da cidade californiana por oito votos a favor e três contra, entra em vigor apenas em dezembro de 2011.  A lei exige que os estabelecimentos atendam a alguns padrões nutricionais – ou seja, ofereçam alimentação mais saudável – em vez de atrair o público infantil e jovem com brinquedos.

A lei exige que brindes e brinquedos só acompanhem refeições se, juntas, comida e bebida somarem menos de 600 calorias. E menos de 35% for procedente de gorduras.

Combater a obesidade infantil - grave problema de saúde pública nos EUA, país no qual 15% das crianças têm sobrepeso ou obesidade - é o objetivo da medida recém aprovada. Eric Mars, um dos supervisores responsáveis pela aprovação da lei em São Francisco, comenta que ela tem por objetivo promover hábitos alimentares saudáveis. “Nossas crianças estão doentes. As taxas de obesidade na cidade são incomodamente elevadas, especialmente entre as crianças negras”.

Novos Hábitos
A pediatra Lilian Zaboto, integrante do Departamento de Obesidade Infantil da ABESO, aprova a iniciativa norte-americana: “São medidas extremas deste tipo que ajudarão a combater a esta epidemia que é a obesidade infantil. Infelizmente alguns pais presenteiam os filhos com esses brinquedos em troca de "comerem tudo". O que esquecem é que são alimentos extremamente calóricos, com péssimo valor nutricional”.

A especialista dá sua sugestão: “Uma saída interessante seria oferecer os brinquedos para os alimentos saudáveis destes restaurantes, como sucos naturais e/ou frutas. Talvez isso estimule nossas crianças a consumirem melhores alimentos e a criarem novos hábitos”.

Leia mais
EUA: Triplica a Obesidade Infantil Severa
Obesidade Infantil Preocupa Pais nos EUA
Obesidade Infantil no Brasil Avança para Índice dos EUA

Colunistas