Notícias Dicas


Gol Contra da FIFA na Luta Antiobesidade

Gol Contra da FIFA na Luta Antiobesidade

Gol Contra da FIFA na Luta Antiobesidade
Por Beth Santos

O Fundo Mundial para a Pesquisa do Câncer (WCRF, na sigla em inglês) chamou de “gol contra” da FIFA o fato de a entidade ter fechado acordos de patrocínio para a Copa do Mundo com empresas que vendem produtos não saudáveis, “como Coca-Cola, McDonald’s e Budweiser”.  A crítica vem acompanhada de preocupação pelas evidências “que mostram que a publicidade de alimentos e bebidas não saudáveis, particularmente na TV, pode ser uma causa da obesidade infantil”, afirmou Teresa Nightingale, gerente geral do WCRF e porta-voz das críticas.
Segundo o comunicado distribuído à imprensa britânica, “o WCRF acha que o torneio deveria ser uma oportunidade de promoção de um estilo de vida ativo e saudável, principalmente entre as crianças”. E prossegue: “ter estas empresas como patrocinadoras ou sócias da Copa do Mundo significa que milhões de crianças estarão expostas a campanhas publicitárias de alimentos e bebidas não saudáveis”.

O fundo mundial de pesquisa baseia suas críticas em estudo que publicou em 2007 – considerado a pesquisa mais ampla já realizada sobre alimentação, exercícios e a prevenção do câncer – que revelou vínculo entre o risco de câncer e estilo de vida.

A gerente geral do WCRF segue afirmando que “não há dúvida de que o futebol é uma boa ferramenta no combate à obesidade infantil, por ser uma forma de atividade acessível a todas as pessoas”.

Aposta no Futuro
Teresa Nightingale acrescenta, porém, que uma medida que poderia favorecer a saúde pública mundial seria “se a FIFA assumisse a dianteira anunciando que no futuro não terá empresas que comercializem produtos não saudáveis como sócios ou patrocinadores”.

Ela lembra que “o presidente da FIFA, Sepp Blatter, apoiou a campanha de Michele Obama contra a obesidade, dizendo em comunicado que ‘o esporte em geral e o futebol em particular podem ajudar a combater este problema’. E encerra: “o WCRF pede agora à FIFA que confirme estas palavras com ações firmes em futuros acordos de patrocínio”.

Fonte: BBC Mundo

Colunistas