Notícias Dicas


É Melhor Prevenir

É Melhor Prevenir

É Melhor Prevenir

Despertar a consciência sobre o valor da saúde é um dos objetivos do Dia Nacional da Saúde, comemorado a 5 de agosto desde 1967, quando foi instituído. A propósito da data comemorada esta semana, o site da ABESO convidou quatro especialistas da entidade a darem dicas sobre a prevenção da obesidade. Afinal, não há melhor maneira de cuidar da saúde do que prevenindo as doenças e suas complicações.

Reeducação Alimentar
A nutricionista Daniela Casagrande, membro do Departamento de Nutrição da ABESO, aposta na reeducação alimentar quando se trata de prevenir o excesso de peso. Segundo ela, “uma boa nutrição começa com algumas estratégias básicas. São elas:

1. Escolha alimentos ricos em proteínas: carnes, aves, peixes, miúdos, ovos, leite e derivados;
2. Escolha vegetais, legumes e frutas para preencher o vazio que falta;
3. Tenha cuidado com os carboidratos: pão, massas, batata, arroz, bolachas. Estes alimentos são calóricos e engordam;
4. Escolha com mais frequência leite e laticínios desnatados ou semidesnatados, pois você precisa da proteína e não da gordura. Se não tolerar leite e derivados, é necessário ingerir outro alimento que contenha as mesmas propriedades. O leite com baixa lactose, leite de cabra ou leite de soja podem substituir;
5. Beba, diariamente, de 8 a 10 copos de líquido (água, de preferência) sem calorias ou de baixos teores calóricos (água de coco, chás, suco de limão ou de maracujá, sucos light, sucos de polpa de frutas);
6. Evitar ou diminuir o consumo de refrigerantes;
7. Diminuir o consumo de doces;
8. Não exagere em alimentos salgados ou na adição de sal nos alimentos, para estabilizar a pressão arterial e diminuir edemas (inchaço);
9. Reduzir drasticamente o consumo de bebidas alcoólicas, chá preto, café preto;
10. Aumentar o número de refeições por dia (mínimo de cinco refeições). Desta forma, você mantém níveis adequados de hormônio da fome, evitando fazer grandes refeições com alto teor calórico.

Os princípios básicos de uma alimentação saudável foram sumarizados pelo Ministério da Saúde em três pontos:

1. Variedade: comer diferentes tipos de alimentos pertencentes aos diversos grupos confere qualidade à alimentação; isso pode ser buscado pelo padrão colorido das refeições.
2. Moderação: comer quantidade certa de alimentos, nem mais nem menos do que o organismo precisa; comer mais do que o necessário é hoje um hábito frequente.
3. Equilíbrio: quantidade e qualidade são importantes; o ideal é consumir alimentos variados, respeitando as quantidades de porções recomendadas para cada grupo de alimentos. Ou seja, comer de tudo um pouco”.

Prevenir Desde Cedo
A pediatra Lilian Zaboto, responsável pelo Departamento de Obesidade Infantil da ABESO, listou cinco dicas para prevenir a obesidade na infância.

1. Aleitamento materno exclusivo até o sexto mês e misto até os dois anos de idade.
2. Não substitua carinho por alimentos. É mais importante a qualidade do tempo dispensado ao seu filho que a qualidade. Alguns pais tendem a tentar
compensar sua ausência trazendo doces ou chocolates para casa.
3. Mantenha seu filho longe do sedentarismo.
4. Não deixe as crianças mais de 2 horas frente à TV, videogames ou computadores.
5. Troque o passeio a lanchonetes e restaurantes por parques ou museus.

Para os Adultos
Membro da Diretoria da ABESO, o endocrinologista Alexander Benchimol - médico pesquisador do Departamento de Endocrinologia da Escola Médica de Pós-Graduação da PUC/RJ – IEDE RJ - faz alguns esclarecimentos para a prevenção da obesidade nos adultos. 

“A obesidade é uma doença crônica que pode colaborar no desenvolvimento de patologias importantes como: diabetes mellitus tipo 2, dislipidemia, hipertensão arterial, artropatias, entre outras.

A prevenção para se evitar o desenvolvimento da obesidade é fundamental, pois beneficiará de forma contundente a saúde deste indivíduo, inclusive aumentando a sua expectativa de vida.

A prevenção da obesidade no adulto está intimamente relacionada à mudança de estilo de vida, mais especificamente melhora da dieta e realização de atividade física. É necessário que o indivíduo entenda que prevenir uma doença crônica é mais fácil que tratá-la, e cabe ao profissional de saúde que faz a avaliação deste paciente motivá-lo ao máximo para que o mesmo insista na mudança de hábitos de vida e possa se beneficiar a longo prazo com essas modificações”.

A Atividade Física
A importância da prática de atividade física na prevenção da obesidade e na manutenção do peso foi abordada pelo responsável pelo Departamento de Atividade Física da ABESO, Dr. Carlos Alberto Werutsky.

“O sedentarismo crônico prejudica a saúde até mesmo daqueles indivíduos menos suscetíveis a doenças por uma privilegiada bagagem genética, como observamos nos longevos e centenários. Estudos antropológicos apontam para alterações do perfil genético influenciado pela cumulativa redução do dispêndio de energia pelo trabalho muscular.

No Brasil, a transição nutricional vem aumentando o peso de crianças, adultos e idosos de ambos os sexos. Se aliarmos à hipoatividade metabólica muscular, teremos a produção aumentada de insulina (hormônio anabólico) sustentando o excesso de peso, a diabesidade, a síndrome metabólica e certos tipos de câncer.

Campanhas de incentivo à prática da atividade física regular pela população - como o Programa Agita São Paulo (www.agitasp.org.br
), que abrange todas as faixas etárias - poderiam estar aliadas à abordagem de todo profissional da saúde junto aos seus pacientes, numa força-tarefa de promoção da saúde e prevenção da doença”. 

Colunistas