Notícias Dicas


Divulgado Documento com Recomendações Sobre Cirurgia Bariátrica em Pacientes Obe

Divulgado Documento com Recomendações Sobre Cirurgia Bariátrica em Pacientes Obe

Divulgado Documento com Recomendações Sobre Cirurgia Bariátrica em Pacientes Obesos
Por Beth Santos e Cintia Castro

A International Diabetes Federation (IDF) acaba de divulgar suas diretrizes sobre cirurgia bariátrica no tratamento do diabetes tipo 2 em pessoas obesas. A combinação de obesidade e diabetes está sendo considerada pelos especialistas da IDF como o maior problema de saúde pública da história da humanidade.

Lançado no último dia 28 de março, durante o segundo World Congress on Interventional Therapies for Type 2 Diabetes, em Nova Iorque, o posicionamento da IDF contém recomendações sobre a cirurgia como tratamento para pacientes com a chamada obesidade severa associada ao diabetes tipo 2. O documento foi elaborado por especialistas em cirurgia bariátrica, endocrinologistas e diabetologistas.

Segundo o que afirma o texto das diretrizes, há evidências crescentes de que a saúde dos obesos com diabetes tipo 2 – o que inclui o controle da glicemia e de comorbidades ligadas à obesidade - pode colher benefícios com a cirurgia bariátrica sob algumas circunstâncias.

Os pacientes com obesidade e diabetes são considerados candidatos à cirurgia de redução de estômago quando não alcançarem as metas de controle glicêmico com o uso de medicamentos, principalmente quando há doenças associadas à obesidade e ao diabetes. Em casos como esses, pacientes com Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou maior que 35 têm indicação prioritária. Mais: a cirurgia bariátrica passou a fazer parte das primeiras opções de tratamento do diabetes.

Evidências
Para o responsável pelo Departamento de Cirurgia Bariátrica da ABESO, o Dr. Denis Pajecki, as novas diretrizes divulgadas pela IDF “cristalizam as evidências observadas há mais de 30 anos por cirurgiões bariátricos no que se refere ao controle e até mesmo à cura do diabetes do diabetes tipo 2 em pacientes obesos submetidos a tratamento cirúrgico da obesidade”. A grande novidade do documento, segundo ele, é a possibilidade de indicação cirúrgica para pacientes portadores de obesidade em grau I (IMC<35Kg/m2) e com diabetes mal controlado. “Tal decisão vai ao encontro da visão dos especialistas. O IMC não deve ser o critério principal para indicação cirúrgica, como acontece atualmente, mas, sim, a gravidade do paciente, determinada por outros parâmetros”, explica.

O peso do documento em âmbito internacional é grande, lembra o Dr. Denis. “A importância da diretriz encontra-se no alcance que possui, uma vez que endocrinologistas e clínicos gerais do mundo inteiro seguem as orientações de conduta traçadas pela IDF”, afirma.

Colunistas