Notícias Dicas


Guideline

Guideline

A American Heart Association, a American College of Cardiology e a Obesity Society desenvolveram, em conjunto, recomendações de tratamento abrangentes para ajudar profissionais de saúde a tratar pacientes adultos afetados pelo excesso de peso e pela obesidade. Os guideline foi publicado simultaneamente na revista Circulation: uma revista da American Heart Association e Journal of the American College ofCardiology, e no Obesity: jornal da Obesity Society .

"Perda de peso não se trata de força de vontade. Há todo um contexto que envolve comportamentos em torno da alimentação, da práticade atividade física, e a ajuda que a pessoa precisa para mudar esses comportamentos", disse Donna Ryan, MD, co-presidente do comitê de redação e professor emérito na Universidade Estadual de Louisiana, do Centro de Pesquisa da Universidade de Pennington Biomedical em Baton Rouge, Louisiana.

O novo relatório de orientação é baseado em uma revisão sistemática de evidências que resumem a literatura atual sobre os riscos da obesidadee os benefícios da perda de peso. Ele resume o conhecimento sobre dietas para perda de peso, a eficácia e a efetividade das intervenções de estilo de vida abrangente sobre a perda de peso, manutenção da perda de peso e os riscos e benefícios da cirurgia bariátrica.

Nos Estados Unidos, cerca de 155 milhões de adultos são afetados por excesso de peso (definido como um índice de massa corporal de 25 a 29,9) ou obesidade (IMC maior que 30) . O IMC é utilizado para estimar a gordura corporal em excesso e é uma medida do peso do corpo em relação à altura de um indivíduo.

O relatório recomenda aos profissionais de saúde que calculem o IMC de seus pacientes em visitas anuais ou  ainda mais frequentes, e a usar os pontos de corte de IMC para identificar adultos que podem estar em maior risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral por causa de seu peso. O relatório também apresenta evidências mostrando que quanto maior o IMC maior o risco de doença coronariana, acidente vascular cerebral, o diabetes tipo 2 e todas as causas de mortalidade (morte por qualquer causa).

A nova diretriz recomenda aos profissionais de saúde desenvolver planos de perda de peso individualizados, que incluem três componentes principais: uma dieta de calorias moderadamente reduzidas, um programa de aumento da atividade física e o uso de estratégias comportamentais para ajudar os pacientes a atingir e manter um peso corporal saudável.

De acordo com as recomendações, a melhor maneira de atingir esses objetivos é trabalhar com um profissional de saúde treinado (endocrinologista, nutricionista, psicólogo comportamental registrado ou outro profissionahabilitado para trabalhar com perda de peso), em um ambiente de cuidados de saúde primários.

O aconselhamento para perda de peso deve se concentrar em pessoas que precisam perder peso por causa da obesidade ou sobrepeso em condições que as colocam em maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares, diabetes, pressão alta, colesterol alto, e pessoas com a circunferência da cintura de mais de 80 centímetros para mulheres e mais de 94 centímetros para homens.

Os programas mais eficazes de mudança de comportamento incluem duas a três reuniões presenciais por mês durante pelo menos seis meses. Programas de perda de peso via web ou por telefone também são uma opção para, embora a pesquisa mostre que não são tão eficazes como os programas de presenciais, de acordo com os autores da declaração.

Na avaliação de especialistas, os programas de estilo devida abrangentes, que auxiliam os participantes a aderir a uma dieta de baixa caloria e aumentar a atividade física por meio do uso de estratégias comportamentais, não são amplamente divulgados e disponíveis.

O que os autores esperam é que, ao destacar que as evidências científicas mostram que, sob supervisão médica, os tratamentos de perda de peso reduzem significativamente os fatores de risco para doença cardiovascular, será mais plenamente aceita e adotada por pacientes e médicos, e os programas serão mais eficazes.

Outras recomendações importantes são:                           

- Adaptação de padrões dietéticos para as preferências alimentares do paciente, considerando os riscos à saúde. Por exemplo, um paciente com colesterol alto se beneficiaria mais de uma dieta de baixa caloria e baixa gordura saturada, incluindo alimentos que eles acham mais atraentes. Dessa forma, se trabalharia melhor a adesão e continuidade do tratamento.

- Concentrar-se em conseguir a perda de peso sustentada de cinco a 10% do peso corporal nos primeiros seis meses, o que já é suficiente para reduzir a pressão arterial, melhorar o colesterol e diminuir a necessidade de medicamentos para controlar a pressão arterial e diabetes. Mesmo uma perda pequena de três por cento de perda de peso sustentada pode reduzir o risco para o desenvolvimento de diabetes tipo 2, bem como resultar em reduções clinicamente significativas nos triglicerídeos, glicose no sangue e outros fatores de risco para a doença cardiovascular.

- Manter assessoria a adultos de IMC que 40 ou superior e a pacientes com um IMC de 35 ou superior que têm dois outros fatores de risco cardiovascular, como diabetes ou pressão arterial elevada, considerando que a cirurgia bariátrica pode proporcionar benefícios significativos para a saúde dessas pessoas. A diretriz não recomenda a cirurgia de perda de peso para as pessoas com um IMC inferior a 35.

A proposta é que os profissionais de saúde façam mais do que aconselhar os pacientes afetados pela obesidade ou pelo sobrepeso a perder peso, a proposta é que se envolvam ativamente para ajudar seus pacientes a alcançarem um peso corporal que proporcione uma melhora significativa na saúde.

A diretriz de obesidade é uma das quatro diretrizes de prevenção de doenças cardiovasculares divulgadas, hoje, pela American Heart Association e American College of Cardiology. Outras diretrizes são relacionadas a gestão de estilo de vida, a avaliação de risco de colesterol e cardiovascular.

As recomendações de tratamento da obesidade são baseados nasmais recentes evidências científicas a partir de estudos de investigação.

Mais informações: o relatório completo "Orientação para a Gestão de sobrepeso e obesidade em adultos 2013 ACC / AHA" será publicado on-line hoje nos sites da ACC e da AHA e em edições impressas das publicações da American College of Cardiology e da American Heart Association Journal.

Colunistas