Notícias Dicas


Aumento de Colesterol na Infância Preocupa Estados Unidos

Aumento de Colesterol na Infância Preocupa Estados Unidos

Aumento de Colesterol na Infância Preocupa Estados Unidos

Doença cardíaca na infância, em conseqüência da obesidade, começa a alarmar a população dos Estados Unidos. De acordo com o resultado de novas pesquisas, que foram apresentadas em congresso no último fim de semana, em Orlando (Flórida), crianças entre nove e 11 anos de idade já aparecem com colesterol alto e espessamento da artéria do pescoço para espanto dos profissionais da área médica.

Segundo os novos estudos, a tendência à obesidade teima em persistir nos EUA e cada vez mais cedo. Não bastassem os altos índices de sobrepeso por conta de uma alimentação excessivamente calórica, principalmente na classe média, sintomas de Acidente Vascular Cerebral (AVC), entre outros, que só apareciam na fase adulta, já são encontrados na garotada norte-americana.

Orientações Anteriores

Um estudo mais detalhado, realizado em escolas de West Virginia, evidenciou que as orientações anteriores para as crianças desconheciam o histórico familiar. Assim mesmo, os exames revelavam níveis elevados de colesterol, especialmente de LDL (o colesterol ruim), em cerca de 10% das crianças.

Estima-se, no entanto, que menos de 1% dos pré-adolescentes analisados sob essa orientação, poderão precisar de medicamentos para diminuir oLDL, mas os especialistas esperam que os exames reforcem a recomendação de exercício e o aconselhamento sobre dieta.

Agravantes

Segundo a Dra.
Lilian Zaboto, pediatra do Departamento de Obesidade Infantil da ABESO, o aumento de peso é um fator agravante não só para aumento dos índices de colesterol, mas também de triglicérides e desenvolvimento de diabetes tipo 2 por aumento nos níveis de glicemia.

“A obesidade associada com algumas destas co-morbidades, aumenta o risco de doenças cardíacas, como infarto e AVC, em adultos jovens. Portanto, realizar estes exames aos nove ou dez anos deve realmente ser uma rotina em qualquer paciente, mesmo sem aumento de peso e principalmente se houver histórico familiar positivo para estas doenças”, explica.

Na opinião da Dra. Lilian, estes exames também devem ser realizados nas crianças mais novinhas, assim que comecem a aumentar de peso.


“Como a alimentação tem sido mais rica em gordura, sais e açúcares, devido ao grande consumo de alimentos industrializados e fast-foods, cada vez mais presenciamos no consultório crianças, de até dois anos de idade, com aumento de colesterol e/ou triglicérides, ainda que não estejam acima do peso”, revela.

Para a doutora, mesmo que a criança tenha um peso normal, mas tiver história familiar de infarto, diabetes ou hipercolesterolemia e hipertrigliceridemia, estes exames devem ser realizados antes dos nove ou dez anos de idade.

Leia Mais
:
Crianças Mais Sedentárias

Familiares Também Participam do Tratamento

Colunistas