Notícias Dicas


Anorexígenos Voltam ao Debate na Câmara dos Deputados

Anorexígenos Voltam ao Debate na Câmara dos Deputados

Anorexígenos Voltam ao Debate na Câmara dos Deputados
Por Sandra Malafaia

Um ano após a proibição dos anorexígenos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o assunto voltou ao debate, na tarde de ontem, em audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília. A Dra. Rosana Radominski, presidente da ABESO, esteve presente, representando também a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

O motivo do debate, segundo a deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) – uma das requerentes da audiência junto com a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) – foi a existência de um Projeto de Lei em avaliação na Comissão de Seguridade Social, que pretende retirar da Anvisa o poder de vetar remédios no Brasil.

Também participaram do debate outros profissionais da área médica, especialistas e parlamentares. 

O primeiro a se pronunciar foi o Dr. Dimitri Homar, representante do Conselho Federal de Medicina, que agradeceu a oportunidade de alertar sobre o problema da retirada dos medicamentos antiobesidade do mercado brasileiro.

“A obesidade
é doença crônica e tem várias causas. Cada causa requer o uso de um remédio adequado e, na maioria das vezes, é necessário um anorexígeno”, afirmou, acrescentando: “nós sabemos a realidade dos pacientes, não cuidamos apenas de papéis”.

O Dr. Dimitri declarou que a obesidade está crescendo no país, assim como as doenças causadas por ela, e que estão tirando a autonomia do médico e do paciente.

“O que será da saúde do Brasil daqui a 5 ou 6 anos? Nós alertamos sobre tudo isso nos outros debates, mas não fomos ouvidos”, completou.

Nutrologia

Em seguida, a palavra foi dada ao Dr. Paulo Giorelli, da
Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). “Dieta e exercícios não resolvem o problema de todos os pacientes”, afirmou.

Ele mostrou três grupos de pacientes que emagreceram com dietas, mas voltaram a engordar e lembrou que baixar 10% de peso já evita muitas outras doenças. E ressaltou: “Isso
não é um posicionamento meu. O CFM, que é um órgão maior, e as sociedades médicas são favoráveis aos medicamentos”.

Finalizando, o Dr. Giorelli “levantou a bola” de que, nos Estados Unidos, existe a venda dedietilpropiona, que é o mesmo que anfepramona. E questionou o porquê da dipirona, por exemplo, ser proibida em 16 países e não no Brasil.

Logo depois, a Dra. Rosana Radominski iniciou sua apresentação, reafirmando que, como endocrinologista e professora de nutrologia, acredita nos anorexígenos.

A presidente da ABESO exemplificou os vários tipos de obesidade com relação àadiposidade em diferentes locais do corpo.

“A obesidade é uma doença crônica progressiva. Sabemos que atividade física ealimentação adequada são fundamentais, mas não são suficientes para 50% das pessoas. Se mudança no estilo de vida não resolver, devemos ir para amedicação”, frisou.

A Dra. Rosana salientou sobre o aumento do uso de medicamentos off-label, desde a proibição da Anvisa, e afirmou que “o uso correto da medicação antiobesidade melhora, sim, a qualidade de vida do paciente”.

Também se pronunciou a favor dos anorexígenos o assessor técnico do Conselho Federal de Farmácia, José Luiz Maldonado.

Oposição

Em oposição aos demais convidados, a Anvisa foi defendida pelo Dr. Francisco Paumgartenn, coordenador da Câmara Técnica de Medicamentos da Agência.

Segundo ele, a proibição dos inibidores de apetite se deve ao fato de que esses medicamentos não alcançaram o seu objetivo de reduzir doenças associadas à obesidade e ao sobrepeso e que os efeitos negativos podem provocar infartos e derrames.

Antes de abrir para os debates,o presidente da Comissão de Seguridade, deputado Mandetta (DEM-MS), disse ter sentido a falta do presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, numa audiência como essa e afirmou que pretende ouvi-lo em um outro debate.

Mandetta criará, nesta quarta-feira, dia 10, um grupo de trabalho para analisar os fatos que levaram a Anvisa a proibir a venda dos inibidores de apetite e as consequências dessa proibição para a saúde da população.

A favor dos medicamentos antiobesidade também falaram os deputados Felipe Bounier, Alice Portugal e Jô Moraes.

Na opinião da Dra. Rosana Radominski, os especialistas a favor dos anorexígenos ganharam um ponto com o debate. No entanto, ela revelou não ter muitas esperanças, a curto prazo, para a resolução desse problema da falta de medicamentos, que tanto está afetando as pessoas obesas.

Leia Mais:
Proibição de Emagrecedores Gera Polêmica em Audiência
ABESO em Debate sobre Proibição de Anorexígenos na Câmara
Anvisa Retira Anorexígenos e Mantém Sibutramina

Colunistas